Pesquisa realizada em 13 países analisou 20 categorias, sendo 9 delas dados de receita em 9 categorias de serviço segundo o estudo em 2014 a internet móvel ainda representa apenas cerca de 2% do tráfego total da grande rede. A previsão faz parte de um estudo quantitativo sobre tráfego e serviços na internet com previsões de quatro anos adiante, elaborado pela empresa inglesa “Informa Telecoms & Media”. Este estudo foi divulgado no dia 05 de Abril de 2011 pelo O Globo …

Será que a Internet tem crescido de 2010 para cá ?

…e segundo o ComputerWorld como pode-se ver neste gráfico publicado no dia 03 de Junho de 2014 o consumo da internet móvel hoje representa 2,28% em relação ao consumo médio mensal no acesso fixo.

BL fixa e movel - Anacom

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_653-giles.jpgNa época os resultados foram divulgados em um “webinar” apresentado pelo analista Giles Cottle. O trabalho revela também que, apesar do frenesi em torno do crescimento da internet móvel, essa tecnologia não substituirá a banda larga fixa, mas sim será uma modalidade a mais de acesso à internet. Isso contraria as previsões de que a transição para o acesso móvel canibalizaria o acesso fixo. Dispositivos móveis se tornarão mais populares como equipamentos para navegar na web, ouvir música em streaming e enviar mensagens curtas. Mas o grosso do tráfego internet em residências continuará sendo via redes Wi-Fi caseiras.

Há tempos circulam rumores de que o tráfego internet em breve ultrapassará a capilaridade da rede, causando um congestionamento. Isso nada tem a ver com a iminente exaustão dos endereços internet, que não tem nada de boato, mas já tem solução planejada — a adoção de uma nova forma de endereçamento mais ampla, conhecida tecnicamente como IPv6. O congestionamento a que se referem os rumores é como se a rede fosse uma malha de tubulações d'água que de repente se entopem pelo excesso de líquido. E a conclusão do estudo é que não é tão tenebrosa a situação.

O tráfego internet global em 2015 será de 1,2 milhão de petabytes, cerca de sete vezes maior do que o atual. Crescendo à taxa de 47% ano a ano, a rede aumentará significativamente, mas num ritmo muito menor do que as previsões alarmistas têm feito pipocar na mídia.

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_659-alt-trafego.jpg

Em 2010, o tráfego gerado por compartilhamento de arquivos ponto a ponto (conhecido como “P2P” — peer-to-peer) quase se equiparava ao gerado por vídeo on-line. Em 2011, o vídeo vai passar a frente nessa corrida e em 2015 representará mais de 50% de todo o tráfego da internet. O fluxo de dados na rede é, e continuará sendo por um bom tempo, dominado essencialmente por quatro tipos de serviço: vídeo, navegação na web, compartilhamento P2P e armazenamento/backup de arquivos.

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_63-alt-trafego2.jpg

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_622-trafego3.jpg

Em 2015, o tráfego na rede vai se amoldar ainda mais do que hoje às configurações regionais de uso da internet. Na América do Norte, por exemplo, o forte será vídeo (80,1%), ao passo que na América Latina, o maior tráfego será de compartilhamento e armazenamento de dados (59,2%).

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_637-trafego4.jpg

 http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_61-trafego5.jpg

A despeito do maciço crescimento no tráfego internet, uma significativa parcela de usuários ainda estará assistindo vídeo em definição standard em 2015.

 

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_611-trafego6.jpg

Hoje em dia, a grande maioria do tráfego mundial de vídeo é de conteúdo em SD (standard definition). Estima-se que em 2015, o número de streams de vídeo SD ainda será o maior. No entanto, em termos de tráfego, a previsão é de que será o primeiro ano em que o vencedor será o vídeo HD (high definition). Mas o vídeo HD só vai bombar mesmo for oferecido como opção automática pelos provedores e não como algo selecionável.

Quanto à transmissão de TV via internet, ela só começará a explodir a partir de meados de 2015, representando, em média, 20% do tráfego global, com consideráveis variações para cada mercado. É previsto um total de 380 milhões de internautas assistindo a TV via internet em 2015, com cerca de 50% dos usuários nos EUA e no Reino Unido desfrutando de vídeo on-line em algum equipamento do tipo “casa conectada”.

http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2011/04/5_621-trafego7.jpg

Em 2015, à parte a popularização do vídeo on-line, o armazenamento de dados na nuvem deverá ser o serviço de crescimento mais rápido na rede, e por dois motivos. O primeiro será a popularização de serviços como Megaupload e Rapidshare, típicos veículos de material pirata. E o segundo motivo é a popularização de serviços de backup automático, como o DropBox.

Com relação aos games, representarão um mercado de US$ 15 bilhões, com uma tendência de grande crescimento no tráfego, especialmente em função dos jogos na nuvem. O mercado de games se diferenciará ainda mais de maneira bem definida em função dos países-chave nesse mercado — EUA, Alemanha, China, Coreia e Japão.

A própria pirataria de conteúdo sofrerá uma drástica modificação na Ásia, deixando de ser uma atividade dependente de mídia física (CDs, DVDs etc.) e migrando fortemente para a modalidade on-line. 

Quanto aos limites máximos de tráfico impostos pelas operadoras sobre usuários de banda larga (conhecidos como broadband caps), eles se tornarão um problema bem maior à medida que usuários medianos começarem a esbarrar neles, coisa que atualmente só incomoda aos chamados “power users” — usuários que fazem downloads compulsivamente.

Grande parte do crescimento do tráfego internet em 2015 será “passivo”, no sentido de que dependerá de fatores que não estão sob o controle do consumidor. Por exemplo, muitos usuários de telefonia estarão usando conexões de voz por VoIP (que representam considerável aumento no tráfego) sem terem a menor ideia de que isso estará acontecendo.

A pesquisa antevê que, até 2015, vídeo em dispositivos móveis não será algo tão impactante, isso em função de problemas com redes, tamanho dos aparelhos, direitos autorais e carência de bons modelos de negócios.

 

 

Fonte: O Globo 

Receba um ebook Grátis, como produzir vídeos profissionais com smartphones e melhorar suas transmissões web.

*Digite seu email: